O verde bastaria, mas o amarelo pareceu mais interessante. Logo veio o vermelho.

E depois, cor nenhuma.

Este texto é de autoria de Angelo Regis e foi lido na edição F! #5 do Fora de prumo.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: