Fora de prumo F! #22. Nomadland: te vejo na estrada

Podemos colar novamente os cacos de louça quebrada?

Imagens idílicas e inóspitas — ao mesmo tempo belas e sublimes — das paisagens do interior dos EUA compõem muitos dos mitos relacionados à construção da identidade nacional daquele jovem país. Não é exagero dizer que essa paisagem simultaneamente natural e rodoviária faz parte fundamental do sonho americano, associando o inóspito com uma certa ideia de liberdade e progresso. Na vida cotidiana das pessoas de lá, contudo, para quem de fato funcionam esses mitos? Há quem esteja excluído deles? Não serão, inclusive, por demais masculinos esses mitos? Nomadland apresenta um sensível olhar estrangeiro para esse cenário e para todas essas narrativas já tão naturalizadas. Neste programa falamos sobre paisagem, subúrbio, identidade, memória, entre outras coisas. Mas falamos sobretudo sobre como usando cor, luz e movimento a diretora Chloé Zhao conseguiu, sem recorrer a qualquer tipo de panfletarismo, promover um dos comentários mais ácidos e sensíveis sobre o que significa o sonho americano.

Continuar lendo Fora de prumo F! #22. Nomadland: te vejo na estrada

Fora de prumo F! #13. Breath of the Wild

Não é nenhum @PoucoPixel, mas a gente tenta.

Em 2017 o jogo The Legend of Zelda: Breath of the Wild recebeu inúmeras premiações, incluindo o título de “Jogo do Ano” no Game Awards, uma espécie de Oscar do mundo dos jogos eletrônicos. Trata-se, de fato, de uma impressionante experiência de entretenimento eletrônico em um ambiente caracterizado pelo que se costuma chamar de “mundo aberto”. Ao controlar o personagem principal do título, o jogador percorre paisagens, arquiteturas, cidades, atmosferas e memórias distintas: num mundo que não existe, passamos a reconhecer marcos, referências e lembranças internas à trama do jogo, quase como se tivéssemos mesmo feito uma viagem por um lugar existente em nosso mundo material. O que faz desse jogo uma experiência tão interessante? Com o quê ele se comunica? Como ele ativa nossas próprias referências e memórias? E, finalmente, por que há tantas sementes de Koroks espalhadas por aí?

Continuar lendo Fora de prumo F! #13. Breath of the Wild