Fora de prumo F! #27. Notas sobre Notas sobre o camp

Não é uma lâmpada. É uma “lâmpada”.

Em 1964 a crítica e ensaísta estadunidense Susan Sontag publicou o texto “Notes on Camp” (“Notas sobre o Camp”) — um verdadeiro clássico instantâneo sobre um assunto que a própria autora ajudou a definir e, em certo sentido, a inaugurar, ainda que se trate de algo que esteja entre nós há muito tempo. Para a autora, o camp é uma sensibilidade associada a uma espécie de exuberância e indiscrição exagerada, próxima do cafona e do kitsch, ainda que distinta. Para além disso, no entanto, o texto apresenta um subtexto político e estético bastante complexo e relevante: ao falar dessa sensibilidade particular, Sontag questiona a hegemonia estética heteronormativa vigente em seu país naquele início de anos 1960. Nesse programa discutimos o camp e suas implicações em nosso mundo.

OUÇA AQUI!

Continuar lendo Fora de prumo F! #27. Notas sobre Notas sobre o camp

Fora de prumo F! #26. A cidade e a cidade

Não há nada para desver por aqui.

A distância entre as cidades de Besźel e Ul-Qoma parece ser antes ideológica que física — contudo, são distâncias bastante reais e tangíveis. Ambas as cidades-estado ocupam a mesma área, embora constituam espaços profundamente distintos. Os habitantes de cada cidade não podem interagir com os habitantes ou objetos localizados na outra: para isso, precisam passar pela fronteira. Não podem sequer olhar para nada que se encontre na cidade superposta àquela em que eles se encontram: caso o façam, cometem um crime conhecido como “brecha”. Esta é a premissa do romance A cidade e a cidade (The City & the City, de China Miéville, publicado originalmente em inglês em 2009 e em português em 2014 com tradução de Fábio Fernandes) e são os temas levantados nesta obra que servem de gatilho para a conversa desta edição do Fora de prumo.

OUÇA AQUI

Continuar lendo Fora de prumo F! #26. A cidade e a cidade

Fora de prumo F! #25. 2021 post mortem

2021: adeus, nunca mais volte

NFTs, Metaverso, viagens espaciais, venda do acervo de Lúcio Costa e censo parcial do CAU-BR. 2021 não foi um ano fácil, e estamos aqui para comentar alguns dos motivos.

OUÇA AQUI!

Continuar lendo Fora de prumo F! #25. 2021 post mortem

Fora de prumo F! #23. Occupy Wall Street: dez anos depois

(Ainda, mais do que nunca) Somos os 99%!

O ano de 2011 foi marcado por uma sequência de mobilizações e protestos ao redor do mundo. Embora as pautas locais mudassem, havia em comum nesses movimentos uma insatisfação com a ausência de perspectiva de futuro para uma juventude cada vez mais precarizada e com as consequências da crise deflagrada em 2008. Por ter ocorrido no centro do sistema financeiro internacional, o movimento Occupy Wall Street (“Ocupem a Wall Street”) tornou-se o mais célebre. Embora o movimento não tenha se limitado à ocupação de espaços públicos, foi a presença ao longo de dois meses de centenas de manifestantes na Praça Zuccotti, em Nova Iorque, que tornou conhecido o movimento e seu slogan (“somos os 99%”). Para celebrar os 10 anos desse episódio — que teve início em 17 de setembro de 2011 — conversamos sobre espaço público, democracia, cidade e filmes ruins do Batman.

OUÇA AQUI!

Continuar lendo Fora de prumo F! #23. Occupy Wall Street: dez anos depois

Fora de prumo F! #22. Nomadland: te vejo na estrada

Podemos colar novamente os cacos de louça quebrada?

Imagens idílicas e inóspitas — ao mesmo tempo belas e sublimes — das paisagens do interior dos EUA compõem muitos dos mitos relacionados à construção da identidade nacional daquele jovem país. Não é exagero dizer que essa paisagem simultaneamente natural e rodoviária faz parte fundamental do sonho americano, associando o inóspito com uma certa ideia de liberdade e progresso. Na vida cotidiana das pessoas de lá, contudo, para quem de fato funcionam esses mitos? Há quem esteja excluído deles? Não serão, inclusive, por demais masculinos esses mitos? Nomadland apresenta um sensível olhar estrangeiro para esse cenário e para todas essas narrativas já tão naturalizadas. Neste programa falamos sobre paisagem, subúrbio, identidade, memória, entre outras coisas. Mas falamos sobretudo sobre como usando cor, luz e movimento a diretora Chloé Zhao conseguiu, sem recorrer a qualquer tipo de panfletarismo, promover um dos comentários mais ácidos e sensíveis sobre o que significa o sonho americano.

Continuar lendo Fora de prumo F! #22. Nomadland: te vejo na estrada